Gramado: Roteiro Raízes Coloniais

Que Gramado, na Serra Gaúcha, possui inúmeros museus, creio que quase todo mundo sabe. Mas você já pensou em conhecer casas e museus pessoais que contam a história dos que escolheram morar ali? Pois foi isso que resolvemos fazer em um mês de novembro.

Foi buscando outras opções pela cidade de Gramado que fui parar em uma página que vendia diferentes passeios que saiam da rota principal. Gostei de vários, e acabei escolhendo o Raízes Coloniais pela praticidade de buscar no hotel.

Não cito o nome da empresa por ela infelizmente ter fechado durante a pandemia, o que eu particularmente achei uma pena, já que achei todo o processo e atendimento impecáveis.

Roteiro Raízes Coloniais

O motorista nos enviou um whats informando o seu horário de chegada na Pousada Vovô Nino, onde nos hospedamos, às 09:10, e pontualmente ele chegou neste horário.

Já havia um casal na van, e passamos em mais alguns hotéis para pegar outras pessoas antes de começar o passeio em si.

1 Parada: Casa Centenária

A casa de madeira com flores na entrada convida o visitante a parar, respirar com calma e admirar o ambiente que o cerca. Esta senhora que foi construída em meados de 1900 é sustentada por troncos de madeira inteiros e tem a sua história misturada com a da própria região.

Memórias de família

Fomos recebidos Loiva Ferrari, nora da matriarca da família Ferrari, descendentes de italianos que ajudaram a colonizar o que viria a ser a cidade de Gramado.

Seguindo o caminho, nos deparamos com a entrada do porão de pedra da casa, construído pelo filho do casal no ano de 1944, que hoje é a única área com acesso interno para visitação. Dentro do local foi possível ver várias peças antigas, que vão de utensílios de cozinha até ferramentas para lidar com a fabricação de bebidas e alimentos, passando por rádios e máquinas de escrever antigas.

O porão de pedra e as fotos na varanda

Em uma das paredes uma homenagem a nona Elisabeta Ferrari, que morreu em 2018, e realizava a recepção aos turistas para contar um pouquinho da sua história. Com fotos, podemos ver tanto uma de suas imagens recentes como da família em preto e branco, ao mesmo tempo que podemos comparar pelas fotos como a casa se manteve conservada.

Na parte de cima, é possível observar a parte interna da casa apenas pelas janelas, onde tudo está preservado da forma como a nona deixou. É possível ver um pouco da sala e da cozinha, os móveis antigos que parecem esperar a chegada da dona a qualquer momento. E na área externa, as fotos antigas penduradas nas paredes contribuem ainda mais para a nossa imaginação.

Ferramentas antigas e natureza

Ainda no pátio é possível observar a natureza, o pneu com flores, e para quem não resiste tem uma área com produtos da família a venda.

2 Parada: Ervateira Marcon

Aqui a família Marcon mostra aos visitantes o processo artesanal de fabricação da erva-mate, enquanto também contam detalhes da origem da bebida que é tradicional no Rio Grande do Sul e de países vizinhos como Argentina e Uruguai.

Bebida típica dos Pampas

E assim você vai descobrir, entre outras coisas, que o termo mate tem origem na palavra quéchua “mati”, cujo significado é cuia ou cabeça, que foram os jesuítas espanhóis que apresentaram a erva-mate para outros povos, e que a exploração industrial por aqui só ocorreu após o fechamento dos portos do Paraguai pelo ditador Frância.

Fabricação artesanal da erva-mate

E claro, para quem tem curiosidade, ainda pode provar e levar para casa comprando o seu pacote na lojinha ou outro produto colonial.

Momento revelação: nem todo gaúcho é fã da bebida, mas são realmente uma minoria. Como sabemos disso? Aqui somos gaúchos, moramos na capital, mas nunca tivemos o hábito de andar com cuia e garrafa térmica, em compensação meu avô tomava o seu mate toda santa manhã.

Museu Fioreze

Um acumulador pode transformar a sua coleção em um pequeno museu organizado? Descobri que sim quando conheci Nelson Fioreze, que construiu nos fundos da casa da família Fioreze um museu que mistura curiosidades e antiguidades.

Acesso ao pequeno museu

Com bom humor e típico sotaque italiano, ele conta histórias enquanto mostra os objetos guardados desde a sua infância. Que vai de um quarto completo, passando por aparelhos de rádio, máquinas fotográficas, máquinas registradoras, motos, até bicho empanado.

O Sr. Nelson contando as suas histórias

Há também relíquias, como a mala utilizada pelo pai de Nelson na viagem de imigração da Itália para o Brasil, fotos antigas que contam um pouco da história da colonização, assim como medalhas e objetos da família.

Do jacaré emplahado, passando por móveis e diferentes tipos de peças

O espaço é pequeno, então vale ouvir a explicação e depois rever os objetos mais interessantes com calma. No nosso caso, mostramos muitos objetos que remetiam a nossa própria infância para a Alice, já que eram objetos presentes na casa de nossos próprios parentes. O que acaba trazendo à tona as nossas histórias.

Natureza e fé

Ao final o convite para conhecer a Farmácia, que na verdade é uma pequena loja onde os visitantes podem degustar e comprar vinhos, graspas e licores.

Bônus: espaço para tirar uma foto bem bonita

Na área externa, vários cantinhos que são uma graça. Mostrando todo o cuidado que a família tem com um local que está passando de uma geração para a outra.

Família Foss

Parreiras de uvas e canções típicas italianas. Assim fomos recebidos pela matriarca Zulmira Foss (sim, ela tem o mesmo nome da minha mãe, que não nos acompanhou nesta trip).

A placa em meio os parreirais indica: hora de recuperar as energias

Entrando na área do restaurante, uma grande mesa cheia de fartura: pães quentinhos, geleias, salames, frios, cuca, bolo… fico com fome só de lembrar. E havia também uma outra área com sopinha quente, uma delícia. De bebida vinho e suco.

Servidos?

Mas isso não é museu, Andrea! Como não? Em um ambiente que lembra uma cantina italiana, tocando música italiana, onde você irá dançar La Bella Polenta, com bandeiras do Rio Grande do Sul e da Itália, e com uma comida literalmente da Nona. É praticamente um museu colonial gastronômico.

Produtos típicos da região

Assim como nos outros lugares, aqui também você pode sair com lembrancinhas, o que não faltam são itens comestíveis.

Aqui finalizamos o nosso passeio, quando retornamos ao hotel para jiboiar depois de tudo o que comemos.

Vale a Pena?

Nós acreditamos que sim. Para nós foi a oportunidade de conhecer um pouco mais da história de quem ajudou a tornar Gramado o que ela é hoje. Além disso foge um pouco dos passeios que normalmente se realiza na cidade, embora na época não tenha sido um passeio solitário, já que havia inclusive um ônibus da CVC passando na mesma hora que nós por alguns pontos.

Para quem ficou interessado, há um outro site que vende o mesmo passeio, com uma parada a mais, que se chama Roteiros de Agroturismohttp://www.roteirosdeagroturismo.com.br/. Não foi o que contratamos, mas pode ser uma opção para quem ficou com vontade de fazer.

E na combinação com outros passeios, vale a pena algo que você não tenha hora para chegar, nós retornamos para o hotel às 15hs, ocupando boa parte do nosso dia.

  • Passeio realizado em novembro/2019
  • Todos os custos foram pagos por nós
  • Alice estava com 6 anos e 6 meses

Curte todos os tipos de museu? Quer ler mais sobre o assunto? Deixo abaixo a lista de links de blogs amigos para que possa ler alguma das sugestões deles:

Família que Viaja Junto – Santiago do Chile com crianças: o Museu Interativo Mirador
Entre Mochilas e Malinhas – Como é a linda Casapueblo no Uruguai
Uma Senhora Viagem – Instituto Ricardo Brennand, Museu em um castelo no Recife
Vamos viajar pra onde agora – Museu Oscar Niemeyer em Curitiba
Viajante Móvel – Forte de Copacabana e Museu Histórico do Exército – Rio de Janeiro
6 Viajantes – Museo del Mar em Punta del Este

Gastronomia: Onde comer em Siena

Siena foi a nossa base para descobrir um pouco do interior da Toscana. Ficamos hospedados três noites na cidade e com isso tivemos a oportunidade de experimentar alguns restaurantes. Neste post fizemos uma relação dos locais visitados e qual foi a nossa opinião sobre eles.

Embora você irá perceber quando chegar lá, não custa lembrar que na Itália não existe o pecado da gula, são tantas escadas para subir que calorias se tornam um detalhe. Cada região tem o seu prato típico, isto é, aqueles cozinhados com ingredientes locais. E não esqueça da taça de vinho para harmonizar e lembrar de como a vida é bela.

Alguns dos pratos típicos da região da Toscana são:

Papa al pomodoro: sopa de pão, tomate, cebola, manjericão, azeite e outros temperos.

Queijo Pecorino: Feito com leite de ovelha, muito vendido nos mercados.

Ribollita: sopa de pão amanhecido, feijão e vegetais que sobram de outras refeições, um reaproveitamento gourmet ao toque italiano com azeite de oliva.

Panzanella: perfeito para o verão, é uma salada feita com pão, tomate, manjericão, vinagre e azeite, dependendo do restaurante, pode ter acréscimos de pimentão, cebola ou outro ingrediente.

Pappardelle al Cinghiale: massa com carne de javali, é um prato que exige em torno de 24 horas de preparação.

Bistecca alla Fiorentina: é um grande pedaço de carne bovina, que pode variar de 800g pra cima, com osso, tradicionalmente mal passada, mas em alguns restaurantes eles pergunto o ponto. É para quem gosta de comer carne.

Panforte di Siena: este doce é um primo do panetone, sendo também uma tradição de Natal. A receita que vem desde a Idade Média possui frutas cristalizadas, e pode – ou não – ter chocolate.

Sequência de Pratos

Em uma refeição típica italiana o almoço/jantar pode seguir a seguinte sequência:

Antipasti: pode ser pão, presunto, queijo, entre outros.
Primi: as opções são pratos com massas, risoto ou sopa.
Secondi: a base do secundo prato é proteína, sendo algum tipo de carne ou ovos acompanhados com verduras e/ou legumes.
Insalatone: é a salada, eles costumam comer no final e não no início da refeição
Dessert: a sobremesa para adoçar a vida

E sempre vem um pão acompanhando a comida.

Mas você não é obrigado a solicitar todos os pratos, os garçons já estão acostumados com os turistas, então você pode optar pela quantidade que a sua fome pedir.

Aprovamos e recomendamos

Osteria Nonna Gina di Lella e Dado

Nas duas primeiras noites passamos por esta Osteria e o cheiro que vinha dela era maravilhoso. Na terceira noite resolvemos que era ali que íamos jantar, e foi a melhor escolha de todas.

O atendimento é bem objetivo, não tem muita frescura. O cardápio é escrito a mão e a comida é maravilhosa. Alice foi de spagueti, a mãe de fusilli tierra de siena e eu de gnocchi alla Lella, o Marco foi em um prato que tinha carne e salada misturada.

O charme do menu escrito a mão

Para adoçar a vida ainda experimentei o Bacio di Lella, um doce gelado e muito gostoso, que vem embrulhado em papel alumínio.

De acompanhamento vinho da casa, ao final, junto com a conta, vinha aperitivos para beber, sendo feitos por eles mesmo.

Pratos aprovadíssimos

Total da conta para quatro pessoas: 49 euros.

Sim, o local é bom, bonito e barato, e não pode faltar na sua lista de onde comer quando estiver em Siena.

Endereço: Pian dei Mantellini, 2

Ristorante al Mangia

Nossa primeira janta em Siena foi no estilo bem turista, onde fica a Praça Central da cidade – a Piazza del Campo. Em uma mesa na rua, tivemos um bom atendimento e o que foi servido está bem gostoso.

O que pedimos:
Entrada: Bruschetta Caprese e batata-frita, além do tradicional pão.
Segundo prato: Scottona (novilho) e vitella tonnada

Para beber um bom chianti e água.
Total para os quatro: 81,00 euros

Endereço: Il Campo, 43, 53100

Archivio del gusto

Em nosso único almoço na cidade, enquanto caminhávamos aleatoriamente nos deparamos com este restaurante. O atendimento foi muito gentil, como haviam várias pessoas fumando na rua, fomos colocados em uma mesa interna, onde havia ar condicionado.

A comida foi muito gostosa, e os pratos bem bonitos, daqueles que já fazem o estômago se prepararem pelos olhos. Nossos pedidos:

Entrada: Caprese con mozzarella di bufala campana
Pratos principais: Alice foi de Pici freschi al ragù di cinta senesee batatas, eu e a mãe de Spaghetti allo scoglio sfumati con Vernaccia di San Gimignano con cozze, vongole e scampi e o Marco de Salmone Mandorle Pistacch.

As bebidas foram água, refrigerante e duas taças de vernaccia bem geladas.

Total da brincadeira: 101 euros para quatro pessoas, mas por ser a última refeição na Toscana, pode.

Endereço: Via di Monna Agnese, 8

Poderia ser melhor

Antica Tratorria Papei

Localizada próximo a Piazza del Campo, em uma área mais baixa, escolhi o local por ter lido ótimas referências, mas como diz o chef Jacquin, faltou tômpero.

O local estava bem cheio quando chegamos e aguardamos um tempo em pé até haver uma mesa disponível. Como todos estavam com fome, eu e o Marco pedimos bisteca fiorentina e batata assada, e a mãe e a Alice foram de tortellini com carne moída.

Além disso experimentei a sobremesa ao qual li vários elogios: a torta della nonna. E se eu já havia achado a comida mais ou menos, para uma formiga profissional como eu, aqui foi o que determinou a vontade de não mais retornar. Foi a sobremesa mais sem gosto que já provei na minha vida. E o pior, a moça que nos atendeu, que era tri simpática, resolveu me dar uma fatia bem generosa.

Para não dizer que não gostamos de nada, o vinho da casa era um chianti bem gostoso.

Total da conta para os quatro: 98 euros.

Endereço: Piazza Mercato, 6

Não esqueça

Você está na Itália, e se for verão, entre uma caminhada e outra, não deixe de se refrescar com um gostoso sorvete. O único efeito colateral, é que ao voltar ao Brasil, os que vendem no mercado perdem a graça.

* Viagem realizada em setembro/2019
* Alice estava com 6 anos e 4 meses
* Todas as refeições citadas foram pagas por nós

Seu apetite não foi saciado? Está buscando mais dicas gastronômicas? Você está com sorte, este post faz parte de uma blogagem coletiva sobre #ondecomerem diferentes lugares, tanto no Brasil, quando fora como o nosso. Leia e fique com fome.

Vamos viajar pra onde agora?: – Onde comer em Teresópolis
Expedições em Família – Onde comer em Cunha – Estrada Real

Let’s Fly Away – Almoço na vinícola Cristofoli: bom vinho e charme em Bento Gonçalves
Viajante Móvel – Onde comer em Gramado e Canela – Dicas de restaurantes
Destinos Por Onde Andei… – Onde comer bem e barato no Porto
6 Viajantes – 20 Cafés e Casas de Chá de Montevidéu que valem uma visita
Vamos Por Aí – 5 Restaurantes temáticos em São Paulo que você precisa conhecer
Uma Viagem Diferente – Re Restaurante Dona Suzana, Salvador – Bahia
Across The Universe – 6 Docerias em Brasília que vale a pena conhecer
Me Leva Viajar – Onde comer em Garopaba – Restaurante Tasca dos Açores
Experiência Barbara – Onde comer em São Paulo – Viaje pela gastronomia!
Chicas Lokas na Estrada – Onde tomar café no Rio de Janeiro
Cantinho de Ná – Onde comer em Madrid – tapas, churros e muito mais
Viajante Econômica – Onde comer em Santos comidas típicas santistas
Mulher Casada Viaja – Onde comer na Rodovia Castelo Branco, SP

Gastronomia: Onde comer em Florença

Ficamos quatro noites em Florença e com isso tivemos a oportunidade de experimentar alguns restaurantes da cidade, incluindo a típica bisteca fiorentina. Neste post fizemos uma relação dos locais visitados e qual foi a nossa opinião sobre eles.

Continuar lendo “Gastronomia: Onde comer em Florença”

San Gimignano: a Manhattan Medieval

Em uma colina da Toscana está a Manhattan Medieval, a cidade das torres, dos muros, do vinho branco e do melhor sorvete do mundo. Neste post conto como foi passear pelas ruas desta pequena, mas muito charmosa, cidade de San Gimignano. Continuar lendo “San Gimignano: a Manhattan Medieval”

Serra Gaúcha: Conhecendo Veranópolis

A pequena cidade gaúcha de Veranópolis pode ser uma opção perfeita para quem quer fazer um bate-volta de Bento Gonçalves, ou apenas busca um lugar tranquilo para ficar. Nós fomos em pleno verão e contamos neste post a nossa experiência na terra da longevidade e berço nacional da maçã. Continuar lendo “Serra Gaúcha: Conhecendo Veranópolis”

Bate-volta para conhecer Pisa e Lucca

Desde que Alice viu em um desenho a Torre de Pisa, a mesma se tornou um dos lugares a serem visitados durante a nossa viagem pela Itália. Entre pesquisas, nos deparamos com Lucca, e assim se formou o nosso bate-volta a partir de Florença. Continuar lendo “Bate-volta para conhecer Pisa e Lucca”

10 lugares Comfort Food na Serra Gaúcha

O Rio Grande do Sul possui uma cultura riquíssima, e para quem gosta de boa comida e fartura, ele é um destino imperdível. E na bela Serra Gaúcha lugares para curtir com os olhos e com o paladar formam duplas perfeitas. Continuar lendo “10 lugares Comfort Food na Serra Gaúcha”

O que fazer em Pádua – Roteiro de 1 dia

Entre Veneza e Florença fizemos uma parada na cidade de Padova ou Pádua, onde fica a Basílica de Santo Antônio. A parada aqui não foi só turística e neste post eu vou lhes contar o motivo. Mas também não se restringe a basílica, e assim para quem quer ficar um pouco mais compartilhamos algumas opções de o que fazer na cidade. Continuar lendo “O que fazer em Pádua – Roteiro de 1 dia”

Gastronomia: Restaurantes em Veneza

Ficamos três noites em Veneza e com isso tivemos a oportunidade de experimentar alguns restaurantes da cidade, além de um almoço em Burano. Neste post compartilho com vocês os locais que aprovamos e indicamos e o que não recomendamos. Continuar lendo “Gastronomia: Restaurantes em Veneza”

Gastronomia: Restaurantes em Roma

Ficamos quatro noites em Roma e com isso tivemos a oportunidade de experimentar alguns restaurantes da cidade. Neste post compartilho com vocês o que adoramos, o que foi mais ou menos e o que não recomendamos. Continuar lendo “Gastronomia: Restaurantes em Roma”