Dia 11 – Paris – Literatura e Gastronomia

Chuva e frio se tornaram mais presentes, mas como era o dia de encerrar o Museum Pass não vale desanimar. Abrigamos à pequena e lá fomos nós em mais uma caminhada.

Pantheon

IMG_1771

Localizado no Quartier Latin, próximo a Universidade Paris-Sorbonne, o prédio construído entre os anos de 1764-1790 impressiona pela beleza. Seu acesso é tranquilo, pois a quantidade de visitantes é relativamente pequena.

Na parte interna estão grandes colunas, quadros religiosos que ocupam paredes inteiras, esculturas, o pêndulo de Foucault e as criptas de escritores, cientistas, generais e políticos que escreveram o seus nomes na história, como Voltaire, Alexandre Dumas e Emile Zola.

Para chegar as criptas é necessário descer um nível, onde há terminais com detalhes, caixões, mais esculturas e algumas estátuas dos enterrados (como Voltaire).

Existe também referências a memória de Antoine de Saint Exupéry, muito conhecido pela sua obra O Pequeno Príncipe.

É um passeio de duas horas, fácil de encaixar com o jardim de Luxembourg, por exemplo, (passamos por dentro dele para chegar no Pantheon, só não aproveitamos mais devido ao tempo), que além de render bonitas fotos é uma viagem pelo passado francês.

Informações:
Aberto todos os dias das 10-18hs
Ingresso 7 euros (crianças não pagam)
Aceita o Museum Pass

Almoço Il Suppli

E um dos nossos melhores almoços (se é que não foi o melhor) foi em um restaurante italiano chamado Il Suppli. Para Alice nhoque, para os adultos o menu do dia. Tudo muito gostoso. A massa com molho de limão divina. E a sobremesa deliciosa também.

O atendimento super simpático e o preço considerei bom por tudo o que comemos. O tipo de refeição em que se sai feliz.

Igreja de Saint-Sulpice

IMG_1815

A igreja com suas torres desiguais possui em seu interior referências astronômicas, como um relógio solar, e todo um ar que parece misturar lendas, censuras e anos de aventuras. Não foi a toa que ela foi cenário de O Código da Vinci (livro que virou filme). Só ela poderia fornecer todo um enredo para quem imaginação fértil.

Simples e imponente, ela é uma igreja bastante tranquila de se visitar. Não há venda de souvenir, mas mendigos dormindo próximos a porta. Sua mistura de luz e escuridão lhe dão um charme a mais, fazendo valer muito a visita, que sem chuva é relativamente rápida.

Antes de retornar em direção ao hotel paramos em uma loja Pierre Herme e sim, achei os seus macarrons melhores. Mas quem realmente ganhou o nosso coração foram seus bolinhos. Eles são maravilhosos.

Quai Branly

IMG_1840

Alice pediu para entrarmos mais uma vez no museu das letrinhas ver o fofinho. E sim, fizemos a vontade dela. Este é outro local muito bacana, de visitação não demorada e sem a muvuca de turistas. Com objetos que representam as civilizações da África, Ásia, Oceania e Américas, ele convida para uma rápida volta ao mundo cultural, nos apresentando hábitos e crenças, tragédias e perguntas. Fugindo do óbvio, ele cativa e desperta a curiosidade de grandes e pequenos.

* Quer ver as fotos? Siga o nosso instagram @3geracoese1mala
* Viagem realizada em junho-julho/2017
* Patrocinada por nós
* Alice estava com 4 anos e 1 mês

2 comentários em “Dia 11 – Paris – Literatura e Gastronomia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s